O Tênis é um esporte de muito esforço, técnica e concentração. Os melhores tenistas dominam os principais golpes, têm um preparo físico impecável e também precisam manter um equilíbrio emocional e concentração absurdos. Mas outro fator que passa despercebido é o quanto um bom planejamento pode significar a diferença entre terminar uma temporada numa melhor ou pior posição do ranking.

Um atleta de alto nível tem um calendário com, pelo menos, 66 torneios por temporada ao redor do mundo (39 ATP 250; 13 ATP 500; 9 MASTER 1000; 4 GRAND SLAMS; 1 ATP FINALS). Nos Grand Slams, os mais importantes torneios do ano, uma partida dura, no mínimo, 2,5 horas. Nos demais, pelo menos 1,5 hora. Também é comum um jogador jogar alguns dias seguidos. Além de planejar todos os recursos, logística de viagem, de treinos e preparação, é preciso decidir de quais torneios participar e por que, mirando sempre obter o melhor resultado ao longo do ano.

Não é raro ver tenistas de excelente qualidade que, por um planejamento mal feito na participação em torneios, acabam não obtendo boas colocações na segunda metade da temporada, porque já estão muito cansados e não conseguem se recuperar. Outros como Roger Federer, pelo fato de já ter 37 anos e já ter ganho tudo, optou por não jogar uma parte significativa dos torneios e, ainda assim, figura entre 5 melhores tenistas do mundo há vários anos, mesmo jogando menos que vários de seus pares.

Planejar uma temporada, é como fazer o planejamento estratégico de uma empresa. Deve ser feito no final do ano anterior, quando é feito um diagnóstico da temporada atual e são tomadas decisões importantes que terão impacto no desempenho ao longo do ano seguinte (porque não dizer da próxima temporada). Como no Tênis, no planejamento empresarial, a organização se deparará com surpresas e imprevistos, tendo que corrigir os rumos do plano traçado (torneios perdidos). Mas se for feito um bom plano, se ele for revisado periodicamente e se os ajustes forem feitos sempre que necessário, a empresa, assim como os tenistas, reunirá condições para competir com mais capacidades e qualificações para obter os melhores resultados ao longo do ano e terminá-lo com suas metas atingidas (numa boa colocação do ranking).

E você, como encara o planejamento do seu negócio? Como você gerencia ao longo do ano o plano que foi elaborado? Em que posição do ranking você quer que a sua empresa figure no final do ano e o que você está fazendo para atingi-lo?

Carlos Eduardo Bandeira Araújo

Sócio e Consultor da Parceria Consultores

Especializado em BPM (Gerenciamento de Processos de Negócios) e Gestão Estratégica com mais de 20 anos de experiência.