Esse fim de semana tive o prazer de assistir à final do Torneio de Roland Garros, um dos quatro principais torneios do circuito de tênis profissional. Nele, Rafael Nadal (2º do mundo) participou da sua 12ª final e venceu novamente Dominic Thiem (4º do mundo), pela 12ª vez. Nadal, juntamente com Roger Federe e Novak Djokovic representam os melhores de sua geração e figuram, sem nenhuma dúvida, entre os melhores do tênis de todos os tempos. Mas hoje é dia de falar de Nadal. Como ele encontra tamanha perfeição no seu jogo na terra sagrada de Roland Garros?

Normalmente começamos uma avaliação de um grande campeão pelo talento que ele possui. Só que esquecemos que talento não é suficiente. Além do talento, nunca vi um jogador profissional tão focado e tão dedicado a um propósito. O tênis é um esporte muito mental. Assim como nas organizações, é comum encontrarmos excelentes jogadores, tecnicamente (excelentes profissionais), mas que não possuem o equilíbrio ou a força psicológica para utilizar todo o seu talento a serviço da busca pelos melhores resultados na carreira. Nadal nos dá alguns exemplos de como ser um campeão em qualquer atividade que você se proponha a exercer.

Em primeiro lugar, nenhum sucesso vem sem muito esforço. Para realizar partidas próximas da perfeição, ele treina muito, se dedica demais. E isso normalmente não é visto por nós. É feito lá nos bastidores. É a preparação para brilhar no palco da vida. No tênis, treino é repetição de movimento, algo chato, mas absolutamente necessário.

Outro aspecto, já citado acima é o foco durante a partida. O que vimos na final desse domingo foram dois sets onde prevaleceu a igualdade, inclusive no placar, quando Nadal venceu o primeiro set e Thiem o segundo. Mas no início do terceiro set, Thiem relaxou por alguns segundos (talvez porque tinha acabado de vencer um set) e quando acordou, perdeu por 6×1. No quarto e último set, Nadal passeou sobre um Thiem que já não encontrava forças para reagir, fechando por 6×1 e vencendo o torneio. Durante todo o jogo Nadal era puro foco e desejo de vencer. Jogava cada ponto como se fosse o último, vibrando com muita intensidade. Dava pra ver no seu semblante. E com isso, pegava bolas “impossíveis”.

Resumindo, esse craque nos presenteia com ótimos aprendizados: um excelente planejamento de carreira; muito treino para aprimorar a sua técnica; uma preparação psicológica excepcional, que lhe assegura foco e presença inigualáveis; muita vontade de vencer e uma profunda paixão pelo esporte que adotou como profissão.

Muito obrigado campeão, pelas lições que você nos proporciona!

E você? Como anda o planejamento do seu negócio? Quanto você investe para contar com profissionais “campeões”? Quanto você investe em treinamento e desenvolvimento da sua equipe? Quanto tempo você tem dedicado para aprimorar o seu negócio? Quanto você é apaixonado pelo que faz?

Carlos Eduardo Bandeira Araújo

Sócio e Consultor da Parceria Consultores

Especializado em BPM (Gerenciamento de Processos de Negócios) e Gestão Estratégica com mais de 20 anos de experiência.