parceria

Se você líder está percebendo que sua equipe está desmotivada e acomodada no trabalho, analise bem antes de acreditar que a contratação de um treinamento “motivacional” é a solução para o problema. O gestor precisa entender que exibir vídeos motivacionais para a equipe ou abordar a questão das motivações humanas de forma teórica podem gerar ainda mais frustração.

Enumeramos alguns pontos a considerar antes de optar pelo treinamento:

1. Falta de reconhecimento:

Recompensar pelo bom trabalho é essencial! Faz parte das necessidades humanas descritas por Maslow o reconhecimento (necessidades de estima, ou seja, reconhecimento dos outros de nossa capacidade). Porém se seus colaboradores fizerem diversas atividades e nunca forem reconhecidos por elas, certamente vão pensar que não faz diferença se esforçar. Reconheça os esforços de sua equipe sempre que você perceber que um bom trabalho foi feito, ou quando um profissional for além do que lhe foi solicitado. Isso irá fortalecer a ação e gerar envolvimento para continuarem fazendo a diferença.

E aqui vale a máxima: Reconheça em público, critique no particular.

2. Trabalho desafiador:

Envolver sua equipe na tomada de decisões ou desafiá-la a ir além de suas capacidades é fundamental para seu crescimento. Isso porque quanto mais desafiador for o trabalho, mais cada colaborador vai buscar superar-se e evoluir. Estimule sua equipe a ter um papel mais ativo e crie ambientes nos quais eles possam atuar de forma mais ampla e participativa. Mas lembre-se, uma gestão participativa não significa que a responsabilidade final não seja mais do líder.

3. Ambiente:

Como está o clima de trabalho entre os colaboradores da sua equipe? Você percebe que existem panelinhas ou fofocas? Com certeza um ambiente saudável é fator motivacional, e se você percebe desavenças no time é importante buscar um entendimento rápido. Converse com as pessoas e perceba o que pode estar causando algum mal estar. Veja de que forma você pode contribuir para a solução do problema. Mas nunca faça vista grossa. Falar sobre o
assunto é o melhor remédio.

4. Falta de Autonomia:

Líderes centralizadores costumam ser um fator de desmotivação, principalmente quando a equipe não consegue realizar nenhuma atividade se não for reportando tudo ao gestor. Aqui temos dois problemas graves: o líder estará sempre sobrecarregado, pois vai precisar olhar tudo que cada pessoa de sua equipe faz, e uma equipe que não vai amadurecer, pois não poderá aprender com seus erros e ter a oportunidade de acertar. Se você percebe que está muito sobrecarregado, pergunte-se: existem atividades que minha equipe já consegue fazer sozinha?

5. Possibilidade de crescimento:

Quando você tem uma vaga em aberto, o que faz? Busca entre as pessoas de sua equipe quem está preparado para ser promovido ou sempre abre a vaga para pessoas de fora da empresa?

Se a sua resposta for a segunda opção, sua equipe pode estar desmotivada por acreditar que, mesmo que faça um excelente trabalho, nunca terá oportunidade de crescer na empresa. Claro que é importante abrir vagas externamente, e assim trazer novos conhecimentos para o grupo, mas avaliar antes se existe alguém que pode assumir maiores responsabilidades também é importante. Optar pela vaga externa pode causar mal-estar, por isso comunique a equipe porque está tomando essa decisão e converse especialmente com quem pode estar com expectativas de ser promovido. Assim você cuida de quem está dentro e abre espaço na equipe para quem vai chegar de fora ser bem recebido.

6. Falta de capacitação:

Outro fator que pode gerar desmotivação é a falta de novos conhecimentos. É fundamental que sua equipe esteja constantemente sendo capacitada, tanto em competências como em novas atividades. Essa é uma via de mão dupla: tanto cada profissional precisa buscar capacitação individualmente, como também a empresa precisa ofertar novos conhecimentos e treinamentos. E para isso você pode: contratar uma consultoria para realizar, fazer um treinamento com um multiplicador interno, oportunizar o aprendizado em outra área, etc. Existem diversas maneiras de manter sua equipe aprendendo e evoluindo. O importante é criar possibilidades sempre.

Citamos aqui 6 fatores que podem gerar desmotivação, mas existem muitos outros. Você deve ter percebido que não citamos o fator Remuneração. Claro que este também é um fator de desmotivação, principalmente se o colaborador percebe que seu salário está aquém do mercado, ou se o salário não condiz com suas atividades. Porém este não é o principal fator, nem o único. Se sua empresa não consegue atuar para melhorar a remuneração de seus colaboradores, principalmente nesse cenário econômico que nos encontramos, saiba que existem outras formas de motivar sua equipe, como citado acima. Indicamos para leitura complementar o livro “100 maneiras de motivar pessoas”, dos autores Steve Chandler e Scott Richardson. Nele você poderá encontrar diversas e criativas formas de motivar e envolver sua equipe para além do treinamento motivacional.

Se esse artigo foi útil para você, nos envie seu comentário e compartilhe nas redes sociais. Toda semana publicamos artigos com objetivo de auxiliar sua caminhada como gestor de uma organização. Se tiver dúvidas, nos envie um e-mail para parceria@parceriaconsult.com.br