Há mais de vinte anos, nós da Parceria facilitamos planejamento estratégico para os nossos clientes. Ao longo de todo esse tempo, adquirimos uma convicção. A fase mais fácil de ser realizada e mais valorizada pelas empresas é a que é fase do planejamento estratégico. Já a fase da execução estratégica é a mais difícil e muitas vezes mais negligenciada pelas organizações.

Normalmente, a fase de planejamento é realizada em duas grandes etapas, sendo a primeira a realização do workshop de planejamento, na qual uma equipe de líderes propõe ou revisa a identidade organizacional (missão, visão, negócio e valores), realiza o diagnóstico estratégico e propõe os objetivos e as estratégias a serem perseguidas.

A segunda etapa envolve o desdobramento dos objetivos estratégicos em indicadores (que serão utilizados para medir a performance de cada objetivo) e projetos (planos de ação necessários para permitir a alavancagem organizacional e o consequente atingimento dos objetivos).

Concluída essa etapa, podemos dizer que o Plano Estratégico está pronto. Mas é aí que começam a maioria dos problemas. Seja por falta de uma cultura voltada para o planejamento, seja pela ausência de uma metodologia ou de ferramentas que permitam uma adequada gestão das estratégias definidas, muitas empresas acabam não tirando todo o proveito do planejamento realizado. Algumas chegam ao extremo de “deixar de lado” o plano estratégico e seguir com o seu dia-a-dia, tratando o plano como uma “peça paralela” ou, pior ainda, um documento muito bem feito que fica na gaveta.

Gerenciar a execução estratégica exige basicamente: metodologia, ferramentas de gestão e disciplina. É crítico que seja definida uma metodologia que permita girar o ciclo de planejamento. Ela envolve definir um modelo de governança no qual sejam definidos o comitê estratégico (líderes responsáveis por prestar contas do desempenho) e as reuniões periódicas de resultados.

Para facilitar e integrar todo esse conteúdo é altamente recomendável a adoção de uma ferramenta de gestão da estratégia. Ela deve reunir num só lugar informações sobre os objetivos estratégicos, indicadores, metas e projetos. Nas reuniões periódicas de resultados os líderes irão demonstrar o quanto estão evoluindo no cumprimento das metas propostas nos seus indicadores e como estão evoluindo na execução dos projetos. Um software que integre essas informações, além de facilitar a gestão no dia-a-dia, facilita a condução das reuniões, tornando-as mais objetivas.

Finalmente, tudo isso só acontece de forma plena, se a organização tiver disciplina para executar todos os projetos e ações nos prazos acordados, propor novos projetos alavancadores, manter todas as informações estratégicas atualizadas e prestar contas do desempenho nos prazos definidos.

Agende uma visita conosco. Nós reunimos o que há de melhor em metodologia, experiência na facilitação de grupos e ferramentas de gestão. Temos a solução completa para lhe auxiliar na importante tarefa e planejar o seu negócio e gerir com eficácia a execução estratégica. Adotando esses cuidados, as probabilidades de sucesso e maiores resultados crescem exponencialmente.

Carlos Eduardo Bandeira Araújo

Sócio e Consultor da Parceria Consultores

Especializado em BPM (Gerenciamento de Processos de Negócios) e Gestão Estratégica com mais de 20 anos de experiência.